Miquéas 7

1AI de mim! porque estou feito como quando são colhidas as frutas do Verão, como os rabiscos da vindima; não há cacho de uvas para comer, nem figos temporãos que a minha alma desejou. 2Pereceu o benigno da terra, e não há, entre os homens, um que seja recto: todos armam ciladas para sangue; caça cada um a seu irmão, com uma rede. 3As suas mãos fazem diligentemente o mal; o príncipe inquire, e o juiz se apressa à recompensa, e o grande fala da corrupção da sua alma, e assim todos eles são perturbadores. 4O melhor deles é como um espinho; o mais recto é pior do que o espinhal: veio o dia dos teus vigias, veio a tua visitação; agora será a sua confusão. 5Não creiais no amigo, nem confieis no vosso guia; daquela que repousa no teu seio, guarda as portas da tua boca. 6Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra a sua mãe, a nora contra a sua sogra, os inimigos do homem são os da sua própria casa. 7Eu, porém, esperarei no Senhor; esperarei no Deus da minha salvação: o meu Deus me ouvirá. 8Ó inimiga minha, não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei: se morar nas trevas, o Senhor será a minha luz. 9Sofrerei a ira do Senhor, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa, e execute o meu direito: ele me trará à luz, e eu verei a sua justiça. 10E a minha inimiga verá isso, e cobri-la-á a confusão; e aquela que me diz: Onde está o teu Deus? os meus olhos a verão, sendo pisada como a lama das ruas. 11No dia em que reedificar os teus muros, nesse dia, longe estará ainda o estatuto. 12Naquele dia, virão a ti, desde a Assíria até às cidades fortes, e das fortalezas até ao rio, e do mar até ao mar, e da montanha até à montanha. 13Mas esta terra será posta em desolação, por causa dos seus moradores, por causa do fruto das suas obras. 14Apascenta o teu povo com a tua vara, o rebanho da tua herança, que mora só no bosque, no meio da terra fértil: apascentem-se em Basan e Gilead, como nos dias da antiguidade. 15Eu lhes mostrarei maravilhas, como nos dias da tua saída da terra do Egipto. 16As nações o verão, e envergonhar-se-ão, por causa de todo o seu poder: porão a mão sobre a boca, e os seus ouvidos ficarão surdos. 17Lamberão o pó, como serpentes; como uns répteis da terra, tremendo, sairão dos seus encerramentos; com pavor virão ao Senhor, nosso Deus, e terão medo de ti. 18Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniquidade, e que te esqueces da rebelião do restante da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na benignidade. 19Tornará a apiedar-se de nós: subjugará as nossas iniquidades, e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar. 20Darás a Jacob a fidelidade, e a Abraão a benignidade, que juraste a nossos pais, desde os dias antigos.

will be added

X\