Marcos 6

1E, PARTINDO dali, chegou à sua pátria, e os seus discípulos o seguiram. 2E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo- o, se admiravam, dizendo: De onde lhe vêm estas coisas? e que sabedoria é esta que lhe foi dada? e como se fazem tais maravilhas por suas mãos? 3Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui connosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele. 4E Jesus lhes dizia: Não há profeta sem honra, senão na sua pátria, entre os seus parentes, e na sua casa. 5E não podia fazer ali obras maravilhosas; somente curou alguns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos. 6E estava admirado da incredulidade deles. E percorreu as aldeias vizinhas, ensinando. 7Chamou a si os doze, e começou a enviá-los a dois e dois, e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos; 8E ordenou-lhes que nada tomassem para o caminho, senão somente um bordão; nem alforge, nem pão, nem dinheiro no cinto; 9Mas que calçassem alparcas, e que não vestissem duas túnicas. 10E dizia-lhes: Na casa em que entrardes, ficai nela, até partirdes dali. 11E, quando alguns vos não receberem, nem vos ouvirem, saindo dali, sacudi o pó que estiver debaixo dos vossos pés, em testemunho contra eles. Em verdade vos digo que haverá mais tolerância, no dia de juízo, para Sodoma e Gomorra, do que para os daquela cidade. 12E, saindo eles, pregavam que se arrependessem. 13E expulsavam muitos demónios, e ungiam muitos enfermos com óleo, e os curavam. 14E ouviu isto o rei Herodes (porque o nome de Jesus se tornara notório), e disse: João, o que baptizava, ressuscitou dos mortos, e por isso estas maravilhas operam nele. 15Outros diziam: É Elias. E diziam outros: É um profeta, ou como um dos profetas. 16Herodes, porém, ouvindo isto, disse: Este é João, que mandei degolar; ressuscitou dos mortos. 17Porquanto o mesmo Herodes mandara prender a João, e encerrá-lo maniatado no cárcere, por causa de Herodias, mulher de Filipe, seu irmão, porquanto tinha casado com ela. 18Pois João dizia a Herodes: Não te é lícito possuir a mulher do teu irmão. 19E Herodias o espiava, e queria matá-lo, mas não podia. 20Porque Herodes temia a João, sabendo que era varão justo e santo; e guardava-o com segurança, e fazia muitas coisas, atendendo-o, e de boamente o ouvia. 21E, chegando uma ocasião favorável, em que Herodes, no dia dos seus anos, dava uma ceia aos grandes, e tribunos, e príncipes da Galileia, 22Entrou a filha da mesma Herodias, e dançou, e agradou a Herodes e aos que estavam com ele à mesa; disse então o rei à menina: Pede-me o que quiseres, e eu to darei. 23E jurou-lhe, dizendo: Tudo o que me pedires te darei, até metade do meu reino. 24E, saindo ela, perguntou a sua mãe: Que pedirei? E ela disse: A cabeça de João Baptista. 25E, entrando logo, apressadamente, pediu ao rei, dizendo: Quero que imediatamente me dês, num prato, a cabeça de João Baptista. 26E o rei entristeceu-se muito; todavia, por causa do juramento e dos que estavam com ele à mesa, não lha quis negar. 27E, enviando logo o rei o executor, mandou que lhe trouxessem ali a cabeça de João. E ele foi, e degolou-o na prisão; 28E trouxe a cabeça num prato, e deu-a à menina, e a menina a deu a sua mãe. 29E os seus discípulos, tendo ouvido isto, foram, tomaram o seu corpo e o puseram num sepulcro. 30E os apóstolos ajuntaram-se a Jesus, e contaram-lhe tudo, tanto o que tinham feito como o que tinham ensinado. 31E ele disse-lhes: Vinde vós, aqui aparte, a um lugar deserto, e repousai um pouco. Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer. 32E foram sós, num barco, para um lugar deserto. 33E a multidão viu-os partir, e muitos o conheceram; e correram para lá, a pé, de todas as cidades, e ali chegaram primeiro do que eles, e aproximavam-se dele. 34E Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor; e começou a ensinar-lhes muitas coisas. 35E, como o dia fosse já muito adiantado, os seus discípulos se aproximaram dele, e lhe disseram: O lugar é deserto, e o dia está já muito adiantado; 36Despede-os, para que vão aos lugares e aldeias circunvizinhas, e comprem pão para si; porque não têm que comer. 37Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer. E eles disseram-lhe: Iremos nós, e compraremos duzentos dinheiros de pão, para lhes darmos de comer? 38E ele disse-lhes: Quantos pães tendes? Ide ver. E, sabendo-o eles, disseram: Cinco pães e dois peixes. 39E ordenou-lhes que fizessem assentar a todos, em ranchos, sobre a erva verde. 40E assentaram-se, repartidos, de cem em cem e de cinquenta em cinquenta. 41E, tomando ele os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou e partiu os pães, e deu-os aos seus discípulos, para que os pusessem diante deles. E repartiu os dois peixes por todos; 42E todos comeram e ficaram fartos; 43E levantaram doze cestos cheios de pedaços de pão e de peixe. 44E os que comeram os pães eram quase cinco mil homens. 45E logo obrigou os seus discípulos a subir para o barco, e passar adiante, para a outra banda, a Betsaida, enquanto ele despedia a multidão. 46E, tendo-os despedido, foi ao monte, a orar. 47E, sobrevindo a tarde, estava o barco no meio do mar, e ele, sozinho, em terra. 48E vendo que se fatigavam a remar, porque o vento lhes era contrário, perto da quarta vigília da noite, aproximou-se deles, andando sobre o mar, e queria passar-lhes adiante, 49Mas, quando eles o viram andar sobre o mar, cuidaram que era um fantasma, e deram grandes gritos. 50Porque todos o viam, e perturbaram-se; mas logo falou com eles, e disse-lhes: Tende bom ânimo; sou eu, não temais. 51E subiu para o barco, para estar com eles, e o vento se aquietou; e entre si ficaram muito assombrados e maravilhados; 52Pois não tinham compreendido o milagre dos pães; antes, o seu coração estava endurecido. 53E, quando já estavam na outra banda, dirigiram-se à terra de Genesareth, e ali atracaram. 54E, saindo eles do barco, logo o conheceram; 55E, correndo toda a terra em redor, começaram a trazer em leitos, aonde quer que sabiam que ele estava, os que se achavam enfermos. 56E, onde quer que entrava, ou em cidade, ou aldeias, ou no campo, apresentavam os enfermos nas praças, e rogavam-lhe que os deixasse tocar, ao menos, na orla do seu vestido; e todos os que lhe tocavam, saravam.

will be added

X\