Marcos 5

1E CHEGARAM à outra banda do mar, à província dos gadarenos. 2E, saindo ele do barco, lhe saiu logo ao seu encontro, dos sepulcros, um homem com espírito imundo; 3O qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender; 4Porque, tendo sido muitas vezes preso, com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar. 5E andava sempre, de dia e de noite, clamando pelos montes, e pelos sepulcros, e ferindo-se com pedras. 6E, quando viu Jesus ao longe, correu e adorou-o. 7E, clamando com grande voz, disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? conjuro-te, por Deus, que não me atormentes. 8(Porque lhe dizia: Sai deste homem, espírito imundo.) 9E perguntou-lhe: Qual é o teu nome? E lhe respondeu, dizendo: Legião é o meu nome, porque somos muitos. 10E rogava-lhe muito que os não enviasse para fora daquela província. 11E andava ali pastando, no monte, uma grande manada de porcos. 12E todos aqueles demónios lhe rogaram, dizendo: Manda-nos para aqueles porcos, para que entremos neles. 13E Jesus logo lho permitiu. E, saindo aqueles espíritos imundos, entraram nos porcos; e a manada se precipitou por um despenhadeiro no mar (eram quase dois mil), e afogaram-se no mar. 14E os que apascentavam os porcos fugiram, e o anunciaram na cidade e nos campos; e saíram muitos a ver o que era aquilo que tinha acontecido. 15E foram ter com Jesus, e viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido e em perfeito juízo, e temeram. 16E, os que aquilo tinham visto, contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado, e acerca dos porcos. 17E começaram a rogar-lhe que saísse dos seus termos. 18E, entrando ele no barco, rogava-lhe o que fora endemoninhado que o deixasse estar com ele. 19Jesus, porém, não lho permitiu, mas disse-lhe: Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti. 20E ele foi, e começou a anunciar em Decápolis quão grandes coisas Jesus lhe fizera; e todos se maravilhavam. 21E, passando Jesus outra vez num barco, para a outra banda, ajuntou-se a ele uma grande multidão; e ele estava junto do mar. 22E, eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo, e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés, 23E rogava-lhe muito, dizendo: Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, para que sare, e viva. 24E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava. 25E certa mulher, que havia doze anos tinha um fluxo de sangue, 26E que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior; 27Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou no seu vestido. 28Porque dizia: Se tão somente tocar nos seus vestidos, sararei. 29E logo se lhe secou a fonte do seu sangue; e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal. 30E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão, e disse: Quem tocou nos meus vestidos? 31E disseram-lhe os seus discípulos: Vês que a multidão te aperta, e dizes: Quem me tocou? 32E ele olhava em redor, para ver a que isto fizera. 33Então a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade. 34E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai em paz, e sê curada deste teu mal. 35Estando ele ainda falando, chegaram alguns do principal da sinagoga, a quem disseram: A tua filha está morta; para que enfadas mais o Mestre? 36E Jesus, tendo ouvido estas palavras, disse ao principal da sinagoga, Não temas, crê somente. 37E não permitiu que alguém o seguisse, a não ser Pedro, Tiago, e João, irmão de Tiago. 38E, tendo chegado à casa do principal da sinagoga, viu o alvoroço, e os que choravam muito e pranteavam. 39E, entrando, disse-lhes: Por que vos alvoroçais e chorais? a menina não está morta, mas dorme. 40E riram-se dele; porém ele, tendo-os feito sair, tomou consigo o pai e a mãe da menina, e os que com ele estavam, e entrou onde a menina estava deitada. 41E, tomando a mão da menina, disse-lhe: Talitha cumi — que, traduzido, é: Menina, a ti te digo, levanta-te. 42E logo a menina se levantou, e andava, pois já tinha doze anos; e assombraram-se com grande espanto. 43E mandou-lhes expressamente que ninguém o soubesse; e disse que lhe dessem de comer.

will be added

X\