Lucas 6

1E ACONTECEU que, no sábado segundo-primeiro, passou pelas searas, e os seus discípulos iam arrancando espigas, e, esfregando-as com as mãos, as comiam. 2E alguns dos fariseus lhes disseram: Por que fazeis o que não é lícito fazer nos sábados? 3E Jesus, respondendo-lhes, disse: nunca lestes o que fez David, quando teve fome, ele e os que com ele estavam? 4Como entrou na casa de Deus, e tomou os pães da proposição, e os comeu, e deu, também, aos que estavam com ele, os quais não é lícito comer senão só aos sacerdotes? 5E dizia-lhes: O Filho do homem é Senhor, até, do sábado. 6E aconteceu, também, noutro sábado, que entrou na sinagoga, e estava ensinando; e havia ali um homem que tinha a mão direita mirrada. 7E os escribas e fariseus atentavam nele, se o curaria no sábado, para acharem de que o acusar. 8Mas ele bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé, no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. 9Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei-de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? 10E, olhando para todos em redor, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez, e a mão lhe foi restituída sã como a outra. 11E ficaram cheios de ira, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus. 12E aconteceu que, naqueles dias, subiu ao monte a orar, e passou a noite em oração a Deus. 13E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem, também, deu o nome de apóstolos: 14Simão, ao qual também chamou Pedro, e André, seu irmão; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15E Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado o zelador; 16E Judas, filho de Tiago; e Judas Iscariotes, que foi o traidor. 17E, descendo com eles, parou num lugar plano, e também um grande número dos seus discípulos, e grande multidão de povo de toda a Judeia, e de Jerusalém, e da costa marítima de Tiro e de Sídon; 18Os quais tinham vindo para o ouvir, e serem curados das suas enfermidades, como também os atormentados dos espíritos imundos: e eram curados. 19E toda a multidão procurava tocar-lhe; porque saía dele virtude, e curava a todos. 20E, levantando ele os olhos para os seus discípulos, dizia: Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus. 21Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir. 22Bem-aventurados sereis, quando os homens vos aborrecerem e quando vos separarem, e vos injuriarem, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do homem. 23Folgai nesse dia, exultai; porque, eis que é grande o vosso galardão no céu, pois assim faziam os seus pais aos profetas. 24Mas ai de vós, ricos! porque já tendes a vossa consolação. 25Ai de vós, os que estais fartos, porque tereis fome. Ai de vós, os que agora rides, porque vos lamentareis e chorareis. 26Ai de vós, quando todos os homens de vós disserem bem, porque assim faziam seus pais aos falsos profetas. 27Mas a vós, que ouvis, digo: Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos aborrecem; 28Bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam. 29Ao que te ferir numa face, oferece-lhe, também, a outra; e, ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses; 30E dá a qualquer que te pedir; e, ao que tomar o que é teu, não lho tornes a pedir. 31E, como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também. 32E, se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam. 33E, se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. 34E, se emprestardes àqueles de quem esperais tornar a receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para tornarem a receber outro tanto. 35Amai, pois, os vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque Ele é benigno, até, para com os ingratos e maus. 36Sede, pois, misericordiosos, como, também, vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; soltai, e soltar-vos-ão. 38Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque, com a mesma medida com que medirdes, também vos medirão de novo. 39E dizia-lhes uma parábola: Pode porventura o cego guiar o cego? Não cairão ambos na cova? 40O discípulo não é superior a seu mestre, mas, todo o que for perfeito será como o seu mestre. 41E por que atentas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho? 42Ou como podes dizer ao teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira, primeiro, a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho do teu irmão. 43Porque, não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto. 44Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos. 45O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca. 46E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo? 47Qualquer que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante: 48É semelhante ao homem que edificou uma casa, e cavou, e abriu bem fundo, e pôs os alicerces sobre rocha; e, vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa, e não a pôde abalar, porque estava fundada sobre a rocha. 49Mas, o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa.

will be added

X\