Lucas 12

1AJUNTANDO-SE, entretanto, muitos milhares de pessoas, de sorte que se atropelavam uns aos outros, começou a dizer aos seus discípulos: Acautelai-vos, primeiramente, do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. 2Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido. 3Porquanto, tudo o que em trevas dissestes, à luz será ouvido; e o que falastes ao ouvido, no gabinete, sobre os telhados será apregoado. 4E digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer. 5Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei. 6Não se vendem cinco passarinhos por dois ceitis? E nenhum deles está esquecido diante de Deus. 7E até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos. 8E digo-vos que, todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus. 9Mas, quem me negar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus. 10E a todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoada, mas, ao que blasfemar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado. 11E, quando vos conduzirem às sinagogas, aos magistrados e potestades, não estejais solícitos de como ou do que haveis de responder, nem do que haveis de dizer. 12Porque, na mesma hora, vos ensinará o Espírito Santo o que vos convenha falar. 13E disse-lhe um da multidão: Mestre, dize ao meu irmão que reparta comigo a herança, 14Mas ele lhe disse: Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós? 15E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. 16E propôs-lhes uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância: 17E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. 18E disse: Farei isto: derribarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; 19E direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens, para muitos anos: descansa, come, bebe e folga. 20Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? 21Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. 22E disse aos seus discípulos: Portanto vos digo: Não estejais apreensivos pela vossa vida, sobre o que comereis; nem pelo corpo, sobre o que vestireis. 23Mais é a vida do que o sustento, e o corpo mais do que o vestido. 24Considerai os corvos, que nem semeiam, nem segam, nem têm despensa nem celeiro, e Deus os alimenta; quanto mais valeis vós do que as aves? 25E qual de vós, sendo solícito, pode acrescentar um côvado à sua estatura? 26Pois, se nem ainda podeis as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras? 27Considerai os lírios, como eles crescem; não trabalham, nem fiam; e digo-vos que nem ainda Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. 28E, se Deus assim veste a erva, que hoje está no campo, e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé? 29Não pergunteis, pois, que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. 30Porque as gentes do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que precisais delas. 31Buscai, antes, o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. 32Não temas, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. 33Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei, para vós, bolsas que não se envelheçam, tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói. 34Porque, onde estiver o vosso tesouro, ali estará, também, o vosso coração. 35Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias. 36E sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas, para que, quando vier, e bater, logo possam abrir-lhe. 37Bem-aventurados aqueles servos, os quais o Senhor, quando vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa, e, chegando-se, os servirá. 38E, se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília, e os achar assim, bem-aventurados são os tais servos. 39Sabei, porém, isto: que, se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, vigiaria, e não deixaria minar a sua casa. 40Portanto, estai vós, também, apercebidos; porque virá o Filho do homem à hora que não imaginais. 41E disse-lhe Pedro: Senhor, dizes essa parábola a nós, ou também a todos? 42E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o Senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? 43Bem-aventurado aquele servo a quem o Senhor, quando vier, achar fazendo assim. 44Em verdade vos digo que sobre todos os seus bens o porá. 45Mas, se aquele servo disser em seu coração: O meu senhor tarda em vir, e começar a espancar os criados e criadas, e a comer, e a beber, e a embriagar-se, 46Virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera, e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis. 47E o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites; 48Mas, o que a não soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. E, a qualquer, a quem muito for dado, muito se lhe pedirá, e, ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá. 49Vim lançar fogo na terra; e que mais quero, se já está aceso? 50Importa, porém, que seja baptizado com um certo baptismo: e como me angustio até que venha a cumprir-se! 51Cuidais vós que vim trazer paz à terra? Não, vos digo, mas, antes, dissensão; 52Porque, daqui em diante, estarão cinco divididos numa casa: três contra dois, e dois contra três. 53O pai estará dividido contra o filho, e o filho contra o pai; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra sua nora, e a nora contra sua sogra. 54E dizia, também, à multidão: Quando vedes a nuvem que vem do ocidente, logo dizeis: Lá vem chuva, e assim sucede. 55E, quando assopra o sul, dizeis: Haverá calma; e assim sucede. 56Hipócritas, sabeis discernir a face da terra e do céu; como não sabeis, então, discernir este tempo? 57E por que não julgais, também, por vós mesmos, o que é justo? 58Quando, pois, vais, com o teu adversário, ao magistrado, procura livrar-te dele no caminho; para que não suceda que te conduza ao juiz, e o juiz te entregue ao meirinho, e o meirinho te encerre na prisão. 59Digo-te que não sairás dali, enquanto não pagares o derradeiro ceitil.

will be added

X\