Jeremias 25

1A PALAVRA que veio a Jeremias acerca de todo o povo de Judá, no ano quarto de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá (que é o primeiro ano de Nabucodonosor, rei de Babilónia), 2A qual anunciou o profeta Jeremias a todo o povo de Judá, e a todos os habitantes de Jerusalém, dizendo: 3Desde o ano treze de Josias, filho de Amon, rei de Judá, até este dia (que é o ano vinte e três), veio a mim a palavra do Senhor, e vo-la anunciei a vós, madrugando e falando; mas vós não escutastes. 4Também vos enviou o Senhor todos os seus servos, os profetas, madrugando e enviando- os (mas vós não escutastes, nem inclinastes os vossos ouvidos para ouvir), 5Dizendo: Convertei-vos agora, cada um do seu mau caminho, e da maldade das suas acções, e habitai na terra que o Senhor vos deu e a vossos pais, de século em século; 6E não andeis após deuses alheios para os servirdes, e para vos inclinardes diante deles, nem me provoqueis à ira com a obra das vossas mãos, para que vos não faça mal. 7Todavia, não me destes ouvidos, diz o Senhor, mas me provocastes à ira, com a obra das vossas mãos, para vosso mal. 8Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos: Visto que não escutastes as minhas palavras, 9Eis que eu enviarei, e tomarei a todas as gerações do norte, diz o Senhor, como também a Nabucodonosor, rei de Babilónia, meu servo, e os trarei sobre esta terra, e sobre os seus moradores, e sobre todas estas nações em redor, e os destruirei totalmente, e pô-los-ei em espanto, e em assobio, e em perpétuos desertos. 10E farei perecer entre eles a voz de folguedo e a voz de alegria, a voz do esposo e a voz da esposa, o som das mós e a luz do candeeiro. 11E toda esta terra virá a ser um deserto e um espanto: e estas nações servirão ao rei de Babilónia, setenta anos. 12Acontecerá, porém, que, quando se cumprirem os setenta anos, visitarei o rei de Babilónia e esta nação, diz o Senhor, castigando a sua iniquidade, e a da terra dos caldeus; farei deles uns desertos perpétuos. 13E trarei sobre esta terra todas as minhas palavras, que disse contra ela, tudo quanto está escrito neste livro, que profetizou Jeremias contra todas estas nações. 14Porque também deles se servirão muitas nações e grandes reis: assim lhes retribuirei segundo os seus feitos, e segundo as obras das suas mãos. 15Porque, assim me disse o Senhor, o Deus de Israel: Toma da minha mão este copo do vinho do furor, e darás a beber dele a todas as nações às quais eu te enviar. 16Para que bebam e tremam e enlouqueçam, por causa da espada que eu enviarei entre eles. 17E tomei o copo da mão do Senhor, e dei a beber a todas as nações, às quais o Senhor me tinha enviado: 18A Jerusalém, e às cidades de Judá, e aos seus reis, e aos seus príncipes, para fazer deles um deserto, um espanto, um assobio e uma maldição, como hoje se vê: 19A Faraó, rei do Egipto, e a seus servos, e a seus príncipes, e a todo o seu povo; 20E a toda a mistura de gente, e a todos os reis da terra de Uz, e a todos os reis da terra dos filisteus, e a Asquelon, e a Gaza, e a Ecron, e ao resto de Asdod, 21E a Edom, e a Moab, e aos filhos de Amon; 22E a todos os reis de Tiro, e a todos os reis de Sidon; e aos reis das ilhas de além do mar; 23A Dedan, e a Tema, e a Buz e a todos os que habitam nos últimos cantos da terra; 24E a todos os reis da Arábia, e todos os reis do povo misto que habita no deserto; 25E a todos os reis de Zimri, e a todos os reis de Elam, e a todos os reis da Média: 26E a todos os reis do norte, os de perto e os de longe, um com outro, e a todos os reinos da terra, que estão sobre a face da terra, e o rei de Sesach beberá depois deles. 27Pois lhes dirás: Assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Bebei, e embebedai-vos, e vomitai, e caí, e não torneis a levantar-vos, por causa da espada que eu vos enviarei. 28E será que, se não quiserem tomar o copo da tua mão para beber, então lhes dirás: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Certamente bebereis. 29Porque eis que na cidade que se chama pelo meu nome começo a castigar; e ficareis vós totalmente impunes? não, não ficareis impunes, porque eu chamo a espada sobre todos os moradores da terra, diz o Senhor dos Exércitos. 30Tu, pois, lhes profetizarás todas estas palavras, e lhes dirás: O Senhor, desde o alto, bramirá, e fará ouvir a sua voz desde a morada da sua santidade: terrivelmente bramirá contra a sua habitação, com grito de alegria, como dos que pisam as uvas, contra todos os moradores da terra. 31Chegará o estrondo até à extremidade da terra, porque o Senhor tem contenda com as nações, entrará em juízo com toda a carne: os ímpios entregará à espada, diz o Senhor. 32Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eis que o mal sai de nação para nação, e grande tormenta se levantará dos confins da terra. 33E serão os mortos do Senhor, naquele dia, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade da terra: não serão pranteados, nem recolhidos, nem sepultados; mas serão como estrume sobre a face da terra. 34Uivai, pastores, e clamai, e rebolai-vos na cinza, principais do rebanho, porque já se cumpriram os vossos dias para serdes mortos, e eu vos quebrantarei, e vós, então, caireis como um vaso precioso. 35E não haverá fugida para os pastores, nem salvamento para os principais do rebanho. 36Voz de grito dos pastores, e uivo dos principais do rebanho; porque o Senhor destruiu o pasto deles. 37Porque as suas malhadas pacíficas serão desarraigadas, por causa do furor da ira do Senhor. 38Desamparou a sua cabana, como o filho de leão; porque a sua terra foi posta em assolação, por causa do furor do opressor, e por causa do furor da sua ira.

will be added

X\