Jeremias 20

1E PASHUR, filho de Imer, o sacerdote que havia sido nomeado presidente na casa do Senhor, ouviu a Jeremias, que profetizava estas coisas. 2E feriu Pashur ao profeta Jeremias, e o meteu no cepo que está na porta superior de Benjamim, a qual está na casa do Senhor. 3E sucedeu que, no dia seguinte, Pashur tirou a Jeremias do cepo. Então disse-lhe Jeremias: O Senhor não chama o teu nome Pashur, mas Magormissabib. 4Porque assim diz o Senhor: Eis que farei de ti um terror para ti mesmo e para todos os teus amigos; eles cairão à espada de seus inimigos, e os teus olhos o verão: todo o Judá entregarei na mão do rei de Babilónia; ele os levará presos a Babilónia, e feri-los-á à espada. 5Também darei toda a fazenda desta cidade, e todo o seu trabalho, e todas as suas coisas preciosas; sim, todos os tesouros dos reis de Judá entregarei na mão dos seus inimigos, e saqueá-los-ão, e tomá-los-ão e levá-los-ão a Babilónia. 6E tu, Pashur, e todos os moradores da tua casa ireis para o cativeiro; e virás a Babilónia, e ali morrerás, e ali serás sepultado, tu, e todos os teus amigos, aos quais profetizas falsamente. 7Iludiste-me, ó Senhor, e iludido fiquei; mais forte foste do que eu, e prevaleceste: sirvo de escárnio todo o dia; cada um deles zomba de mim. 8Porque desde que falo, grito; clamo: Violência e destruição; porque se tornou a palavra do Senhor um opróbrio para mim e um ludíbrio, todo o dia. 9Então disse eu: Não me lembrarei dele, e não falarei mais no seu nome; mas isso foi no meu coração como fogo ardente, encerrado nos meus ossos; e estou fatigado de sofrer, e não posso. 10Porque ouvi a murmuração de muitos, terror de todos os lados: Denunciai- no-lo, e o denunciaremos; todos os que têm paz comigo aguardam o meu manquejar, dizendo: Bem pode ser que se deixe persuadir; então prevaleceremos contra ele e nos vingaremos dele. 11Mas o Senhor está comigo, como um valente terrível; por isso, tropeçarão os meus perseguidores, e não prevalecerão: ficarão mui confundidos; como não se houveram prudentemente, terão uma confusão perpétua, que nunca se esquecerá. 12Tu, pois, ó Senhor dos Exércitos, que provas o justo, e vês os rins e o coração: veja eu a tua vingança sobre eles; pois te descobri a minha causa. 13Cantai ao Senhor, louvai ao Senhor; pois livrou a alma do necessitado da mão dos malfeitores. 14Maldito o dia em que nasci: o dia em que minha mãe me deu à luz não seja bendito. 15Maldito o homem que deu as novas a meu pai, dizendo: Nasceu-te um filho; alegrando-o com isso, grandemente. 16E seja esse homem como as cidades que o Senhor destruiu, sem que se arrependesse: e ouça clamor pela manhã, e ao tempo do meio-dia um alarido. 17Por que não me matou desde a madre? ou minha mãe não foi minha sepultura? ou não ficou grávida perpetuamente? 18Por que saí da madre, para ver trabalho e tristeza, e para que se consumam os meus dias na confusão?

will be added

X\