Hebreus 11

1ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. 2Porque, por ela, os antigos alcançaram testemunho. 3Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus foram criados; de maneira que, aquilo que se vê não foi feito do que é aparente. 4Pela fé, Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caím, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e, por ela, depois de morto, ainda fala. 5Pela fé, Henoch foi trasladado, para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto que, antes da sua trasladação, alcançou testemunho de que agradara a Deus. 6Ora, sem fé, é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. 7Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda se não viam, temeu, e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé. 8Pela fé, Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia. 9Pela fé, habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas, com Isaac e Jacob, herdeiros, com ele, da mesma promessa; 10Porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus. 11Pela fé, também, a mesma Sara recebeu a virtude de conceber, e deu à luz já fora da idade, porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido; 12Pelo que, também, de um, e esse já amortecido, descenderam tantos, em multidão, como as estrelas do céu, e como a areia inumerável que está na praia do mar. 13Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas, vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra. 14Porque, os que isto dizem claramente mostram que buscam uma pátria. 15E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar. 16Mas, agora, desejam uma melhor, isto é, a celestial. Pelo que, também, Deus se não envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade. 17Pela fé, ofereceu Abraão a Isaac, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas, ofereceu o seu unigénito; 18Sendo-lhe dito: Em Isaac será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar; 19E daí, também, em figura, ele o recobrou. 20Pela fé, Isaac abençoou Jacob e Esaú, no tocante às coisas futuras. 21Pela fé, Jacob, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou, encostado à ponta do seu bordão. 22Pela fé, José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca dos seus ossos. 23Pela fé, Moisés, já nascido, foi escondido três meses pelos seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei. 24Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, 25Escolhendo, antes, ser maltratado, com o povo de Deus, do que, por um pouco de tempo, ter o gozo do pecado; 26Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo, do que os tesouros do Egipto; porque tinha em vista a recompensa. 27Pela fé, deixou o Egipto, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível. 28Pela fé, celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogénitos lhes não tocasse. 29Pela fé, passaram o Mar Vermelho, como por terra seca, o que intentando os egípcios, se afogaram. 30Pela fé, caíram os muros de Jericó, sendo rodeados durante sete dias. 31Pela fé, Raab, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias. 32E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo para contar de Gedeão, e de Barac, e de Sansão, e de Jefté, e de David, e de Samuel e dos profetas: 33Os quais, pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, 34Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fugida os exércitos dos estranhos. 35As mulheres receberam, pela ressurreição, os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; 36E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões; 37Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados 38(Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra. 39E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, 40Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.

will be added

X\