Génesis 21

1E O Senhor visitou a Sara, como tinha dito; e fez o Senhor a Sara como tinha falado. 2E concebeu Sara, e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha dito. 3E chamou Abraão o nome do seu filho que lhe nascera, que Sara lhe dera, Isaac. 4E Abraão circuncidou o seu filho Isaac, quando era da idade de oito dias, como Deus lhe tinha ordenado. 5E era Abraão da idade de cem anos quando lhe nasceu Isaac, seu filho. 6E disse Sara: Deus me tem feito riso; todo aquele que o ouvir, se rirá comigo. 7Disse mais: Quem diria a Abraão, que Sara daria de mamar a filhos? porque lhe dei um filho na sua velhice. 8E cresceu o menino, e foi desmamado; então Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaac foi desmamado. 9E viu Sara que o filho de Agar, a egípcia, que esta tinha dado a Abraão, zombava. 10E disse a Abraão: Deita fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com o meu filho, com Isaac. 11E pareceu esta palavra mui má aos olhos de Abraão, por causa do seu filho. 12Porém Deus disse a Abraão: Não te pareça mal aos teus olhos acerca do moço, e acerca da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaac será chamada a tua semente. 13Mas, também, do filho desta serva farei uma nação, porquanto é tua semente. 14Então se levantou Abraão pela manhã, de madrugada, e tomou pão, e um odre de água, e os deu a Agar, pondo-os sobre o seu ombro; também lhe deu o menino, e despediu-a; e ela foi-se, andando errante no deserto de Berseba. 15E consumida a água do odre, lançou o menino debaixo de uma das árvores, 16E foi-se, e assentou-se em frente, afastando-se à distância de um tiro de arco; porque dizia: Que não veja eu morrer o menino. E assentou-se em frente, e levantou a sua voz, e chorou. 17E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o anjo de Deus a Agar, desde os céus, e disse-lhe: Que tens, Agar? não temas, porque Deus ouviu a voz do rapaz, desde o lugar onde está. 18Ergue-te, levanta o moço, e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação. 19E abriu-lhe Deus os olhos, e viu um poço de água; e foi-se, e encheu o odre de água, e deu de beber ao moço. 20E era Deus com o moço, que cresceu; e habitou no deserto, e foi frecheiro. 21E habitou no deserto de Paran; e sua mãe tomou-lhe mulher da terra do Egipto. 22E aconteceu, naquele mesmo tempo, que Abimelech, com Ficol, príncipe do seu exército, falou com Abraão, dizendo: Deus é contigo em tudo o que fazes; 23Agora, pois, jura-me aqui, por Deus, que me não mentirás a mim, nem ao meu filho, nem ao meu neto; segundo a beneficência que te fiz, me farás a mim, e à terra onde peregrinaste. 24E disse Abraão: Eu jurarei. 25Abraão, porém, repreendeu a Abimelech, por causa de um poço de água que os servos de Abimelech haviam tomado por força. 26Então disse Abimelech: Eu não sei quem fez isto; e também, tu mo não fizeste saber, nem eu o ouvi senão hoje. 27E tomou Abraão ovelhas e vacas, e deu-as a Abimelech; e fizeram ambos concerto. 28Pôs Abraão, porém, à parte sete cordeiras do rebanho. 29E Abimelech disse a Abraão: Para que estão aqui estas sete cordeiras, que puseste à parte? 30E disse: Tomarás estas sete cordeiras da minha mão, para que sejam em testemunho que eu cavei este poço. 31Por isso, se chamou aquele lugar Berseba, porquanto ambos juraram ali. 32Assim fizeram concerto em Berseba. Depois, se levantou Abimelech e Ficol, príncipe do seu exército, e tornaram para a terra dos filisteus. 33E plantou um bosque em Berseba, e invocou lá o nome do Senhor, Deus eterno. 34E peregrinou Abraão na terra dos filisteus muitos dias.

will be added

X\