Ezequiel 33

1E VEIO a mim a palavra do Senhor, dizendo: 2Filho do homem, fala aos filhos do teu povo, e dize-lhes: Quando eu fizer vir a espada sobre a terra, e o povo da terra tomar um homem dos seus termos e o constituir por seu atalaia; 3E, vendo ele que a espada vem sobre a terra, tocar a trombeta, e avisar o povo; 4Se aquele que ouvir o som da trombeta não se der por avisado, e vier a espada e o tomar, o seu sangue será sobre a sua cabeça. 5Ele ouviu o som da trombeta e não se deu por avisado, o seu sangue será sobre ele; mas, o que se dá por avisado, salvará a sua vida. 6Mas se, quando o atalaia vir que vem a espada, não tocar a trombeta, e não for avisado o povo; se a espada vier e levar uma vida de entre eles, este tal foi levado na sua iniquidade, mas o seu sangue demandarei da mão do atalaia. 7A ti, pois, ó filho do homem, te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; tu, pois, ouvirás a palavra da minha boca, e lha anunciarás da minha parte. 8Se eu disser ao ímpio: Ó ímpio, certamente morrerás; e tu não falares, para desviar o ímpio do seu caminho, morrerá esse ímpio na sua iniquidade, mas o seu sangue eu o demandarei da tua mão. 9Mas, quando tu tiveres falado para desviar o ímpio do seu caminho, para que se converta dele, e ele se não converter do seu caminho, ele morrerá na sua iniquidade, mas tu livraste a tua alma. 10Tu, pois, filho do homem, dize à casa de Israel: Assim falais vós, dizendo: Visto que as nossas prevaricações e os nossos pecados estão sobre nós, e nós desfalecemos neles, como viveremos então? 11Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Jeová, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva: convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel? 12Tu, pois, filho do homem, dize aos filhos do teu povo: A justiça do justo não o fará escapar no dia da sua prevaricação; e, quanto à impiedade do ímpio, não cairá por ela no dia em que se converter da sua impiedade; nem o justo pela justiça poderá viver no dia em que pecar. 13Quando eu disser ao justo que certamente viverá e ele, confiando na sua justiça, praticar iniquidade, não virão em memória todas as suas justiças, mas, na sua iniquidade que pratica, ele morrerá. 14Quando eu, também, disser ao ímpio: Certamente morrerás; se ele se converter do seu pecado, e fizer juízo e justiça, 15Restituindo esse ímpio o penhor, pagando o furtado, andando nos estatutos da vida, e não praticando iniquidade, certamente viverá, não morrerá. 16De todos os seus pecados com que pecou, não se fará memória contra ele; juízo e justiça fez, certamente viverá. 17Todavia, os filhos do teu povo dizem: Não é recto o caminho do Senhor; mas o próprio caminho deles é que não é recto. 18Desviando-se o justo da sua justiça, e praticando iniquidade, morrerá nela. 19E, convertendo-se o ímpio da sua impiedade, e fazendo juízo e justiça, ele viverá por isto mesmo. 20Todavia, vós dizeis: Não é recto o caminho do Senhor; julgar-vos-ei a cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel. 21E sucedeu que, no ano duodécimo, no décimo mês, aos cinco do mês, do nosso cativeiro, veio a mim um que tinha escapado de Jerusalém, dizendo: Ferida está a cidade. 22Ora a mão do Senhor estivera sobre mim pela tarde, antes que viesse o que tinha escapado; abriu a minha boca, até que veio a mim pela manhã; e abriu-se a minha boca, e não fiquei mais em silêncio. 23Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: 24Filho do homem, os moradores destes lugares desertos da terra de Israel, falam, dizendo: Abraão era um só, e possuiu esta terra; mas nós somos muitos; esta terra nos foi dada em possessão. 25Dize-lhes, portanto: Assim diz o Senhor Jeová: Com sangue comeis, e levantais os vossos olhos para os vossos ídolos, e derramais sangue! e possuireis esta terra? 26Vós vos estribais sobre a vossa espada, cometeis abominação, e contamina cada um a mulher do seu próximo! e possuireis a terra? 27Assim lhes dirás: Assim disse o Senhor Jeová: Vivo eu, que os que estiverem em lugares desertos cairão à espada, e o que estiver sobre a face do campo o entregarei à fera, para que o coma, e os que estiverem em lugares fortes e em cavernas morrerão de pestilência. 28E tornarei a terra em assolação e espanto, e cessará a soberba da sua força; e os montes de Israel ficarão tão assolados que ninguém passará por eles. 29Então saberão que eu sou o Senhor, quando eu tornar a terra em assolação e espanto, por todas as abominações que cometeram. 30Quanto a ti, ó filho do homem, os filhos do teu povo falam de ti junto às paredes e nas portas das casas; e fala um com o outro, cada um a seu irmão, dizendo: Vinde, peço-vos, e ouvi qual seja a palavra que procede do Senhor. 31E eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti, como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra: pois lisonjeiam com a sua boca, mas o seu coração segue a sua avareza. 32E eis que tu és para eles como uma canção de amores, canção de quem tem voz suave, e que bem tange; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra. 33Mas, quando vier isto (eis que está para vir), então saberão que houve no meio deles um profeta.

will be added

X\