Ezequiel 27

1E VEIO a mim a palavra do Senhor, dizendo: 2Tu pois, ó filho do homem, levanta uma lamentação sobre Tiro. 3E dize a Tiro, que habita nas estradas do mar, e negoceia com os povos em muitas ilhas: Assim diz o Senhor Jeová: Ó Tiro, tu dizes: Eu sou perfeita em formosura. 4No coração dos mares estão os teus termos; os que te edificaram aperfeiçoaram a tua formosura. 5Fabricaram todos os teus convés de faias de Senir: trouxeram cedros do Líbano para fazerem mastros para ti. 6Fizeram os teus remos de carvalhos de Basan: a companhia dos assírios fez os teus bancos de marfim das ilhas dos quiteus. 7Linho fino bordado do Egipto era a tua cortina, para te servir de vela; azul e púrpura das ilhas de Elisa eram a tua cobertura. 8Os moradores de Sidon e de Arvad foram os teus remeiros; os teus sábios, ó Tiro, que se achavam em ti, esses foram os teus pilotos. 9Os anciãos de Gebal e seus sábios foram em ti os que consertavam as tuas fendas; todos os navios do mar e os marinheiros se acharam em ti, para tratarem dos teus negócios. 10Os persas, e os lídios, e os de Put eram no teu exército os teus soldados: escudos e capacetes penduraram em ti: eles fizeram a tua beleza. 11Os filhos de Arvad, e o teu exército estavam sobre os teus muros, em redor, e os gamaditas sobre as tuas torres: penduravam os seus escudos nos teus muros, em redor; eles aperfeiçoavam a tua formosura. 12Társis negociava contigo, por causa da abundância de toda a casta de fazenda: com prata, ferro, estanho e chumbo negociavam em tuas feiras. 13Javan, Tubal e Mesech eram teus mercadores: com almas de homens e vasos de bronze fizeram negócios contigo. 14Das casas de Togarma traziam às tuas feiras cavalos e cavaleiros e machos; 15Os filhos de Dedan eram os teus mercadores; muitas ilhas eram o mercado da tua mão: dentes de marfim e pau preto tornavam a dar-te em presente. 16A Síria negociava contigo, por causa da multidão das tuas obras: esmeralda, púrpura, e obra bordada, e seda, e corais e cristal traziam às tuas feiras. 17Judá e a terra de Israel, eram eles os teus mercadores: com trigo de Minith, e Panague, e mel, e azeite e bálsamo, fizeram negócios contigo. 18Damasco negociava contigo, por causa da multidão das tuas obras, por causa da multidão de toda a sorte de fazenda, com vinho de Chelbon e lã branca. 19Também Dan, e Javan, o caminhante, traficavam nas tuas feiras: ferro polido, casca, e cana aromática entravam no teu negócio. 20Dedan negociava contigo com panos preciosos para carros. 21Arábia, e todos os príncipes de Quedar, eram eles os mercadores de tua mão, com cordeiros, e carneiros e bodes; nestas coisas negociavam contigo. 22Os mercadores de Sheba a Raama, eram eles os teus mercadores, em todos os mais subidos aromas, e em toda a pedra preciosa e ouro, negociavam nas tuas feiras. 23Haran, e Cane e Eden, os mercadores de Sheba, Assur e Quilmad, negociavam contigo. 24Estes eram teus mercadores em toda a sorte de mercadorias, em fardos de jacinto e de bordados, e em cofres de roupas preciosas, amarrados com cordas e feitos de cedro. 25Os navios de Társis eram as tuas caravanas, por causa do teu negócio; e te encheste, e te glorificaste muito no meio dos mares. 26Os teus remeiros te conduziram sobre grandes águas: o vento oriental te quebrantou no meio dos mares. 27As tuas fazendas e as tuas feiras, o teu negócio, os teus marinheiros, e os teus pilotos, os que consertavam as tuas fendas, e os que faziam os teus negócios, e todos os teus soldados, que estão em ti, juntamente com toda a tua congregação, que está no meio de ti, cairão no meio dos mares, no dia da tua queda. 28Ao estrondo da gritaria dos teus pilotos, tremerão os arrabaldes. 29E todos os que pegam no remo, os marinheiros, e todos os pilotos do mar, descerão de seus navios, e na terra pararão. 30E farão ouvir a sua voz sobre ti, e gritarão amargamente; e lançarão pó sobre as cabeças, e na cinza se revolverão. 31E se farão inteiramente calvos por tua causa, e se cingirão de sacos, e chorarão sobre ti, com amargura de alma, com amarga lamentação. 32E levantarão uma lamentação sobre ti, no seu pranto, e lamentarão sobre ti, dizendo: Quem foi como Tiro, como a que está reduzida ao silêncio, no meio do mar? 33Quando as tuas mercadorias eram exportadas pelos mares, fartaste a muitos povos; com a multidão da tua fazenda e do teu negócio, enriqueceste os reis da terra. 34No tempo em que foste quebrantada nos mares, nas profundezas das águas, caíram os teus negócios e toda a tua congregação no meio de ti. 35Todos os moradores das ilhas foram cheios de espanto, por tua causa; e os seus reis tremeram em grande maneira, e foram perturbados nos seus rostos. 36Os mercadores de entre os povos assobiaram sobre ti: tu te tornaste em grande espanto, e nunca mais serás, para sempre.

will be added

X\