Êxodo 32

1MAS, vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, ajuntou-se o povo a Aarão, e disseram-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós: porque, quanto a este Moisés, este homem que nos tirou da terra do Egipto, não sabemos o que lhe sucedeu. 2E Aarão lhes disse: Arrancai os pendentes de ouro que estão nas orelhas das vossas mulheres, e dos vossos filhos, e das vossas filhas, e trazei-mos. 3Então, todo o povo arrancou os pendentes de ouro que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Aarão, 4E ele os tomou das suas mãos, e formou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egipto. 5E Aarão, vendo isto, edificou um altar diante dele; e Aarão apregoou, e disse: Amanhã será festa ao Senhor. 6E no dia seguinte, madrugaram; e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois, levantaram-se a folgar. 7Então disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egipto, se tem corrompido. 8E depressa se tem desviado do caminho que eu lhes tinha ordenado; fizeram para si um bezerro de fundição, e perante ele se inclinaram, e sacrificaram-lhe, e disseram: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egipto. 9Disse mais o Senhor a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo obstinado. 10Agora, pois, deixa-me, que o meu furor se acenda contra eles, e os consuma: e eu farei de ti uma grande nação. 11Porém, Moisés suplicou ao Senhor, seu Deus, e disse: Ó Senhor, por que se acende o teu furor contra o teu povo, que tu tiraste da terra do Egipto, com grande força e com forte mão? 12Por que hão-de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes e para destruí-los da face da terra? Torna-te da ira do teu furor, e arrepende-te deste mal contra o teu povo. 13Lembra-te de Abraão, de Isaac e de Israel, os teus servos, aos quais, por ti mesmo, tens jurado, e lhes disseste: Multiplicarei a vossa semente como as estrelas dos céus, e darei à vossa semente toda esta terra, de que tenho dito, para que a possuam por herança eternamente. 14Então o Senhor arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo. 15E voltou Moisés, e desceu do monte, com as duas tábuas do testemunho na sua mão, tábuas escritas de ambas as bandas; de uma e de outra banda estavam escritas. 16E aquelas tábuas eram obra de Deus; também a escritura era a mesma escritura de Deus, esculpida nas tábuas. 17E, ouvindo Josué a voz do povo que jubilava, disse a Moisés: Alarido de guerra há no arraial. 18Porém ele disse: Não é alarido dos vitoriosos, nem alarido dos vencidos, mas o alarido dos que cantam, que eu oiço. 19E aconteceu que, chegando ele ao arraial, e vendo o bezerro e as danças, acendeu-se o furor de Moisés, e arremessou as tábuas das suas mãos, e quebrou-as ao pé do monte; 20E tomou o bezerro que tinham feito, e queimou-o no fogo, moendo-o, até que se tornou em pó; e o espargiu sobre as águas, e deu-o a beber aos filhos de Israel. 21E Moisés disse a Aarão: Que te tem feito este povo, que sobre ele trouxeste tamanho pecado? 22Então disse Aarão: Não se acenda a ira do meu senhor: tu sabes que este povo é inclinado ao mal; 23E eles me disseram: Faze-nos deuses que vão adiante de nós; porque não sabemos que sucedeu a este Moisés, a este homem que nos tirou da terra do Egipto. 24Então eu lhes disse: Quem tem ouro, arranque-o; e deram-mo, e lancei-o no fogo, e saiu este bezerro. 25E vendo Moisés que o povo estava despido, porque Aarão o havia despido para vergonha entre os seus inimigos. 26Pôs-se em pé Moisés, na porta do arraial, e disse: Quem é do Senhor, venha a mim. Então se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi. 27E disse-lhes: Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Cada um ponha a sua espada sobre a sua coxa: e passai e tornai pelo arraial, de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, e cada um a seu amigo, e cada um a seu próximo. 28E os filhos de Levi fizeram conforme à palavra de Moisés: e caíram do povo, naquele dia, uns três mil homens. 29Porquanto Moisés tinha dito: Consagrai, hoje, as vossas mãos ao Senhor; porquanto cada um será contra o seu filho, e contra o seu irmão: e isto para ele vos dar hoje bênção. 30E aconteceu que, no dia seguinte, Moisés disse ao povo: Vós pecastes grande pecado; agora, porém, subirei ao Senhor; porventura farei propiciação pelo vosso pecado. 31Assim, tornou Moisés ao Senhor, e disse: Ora, este povo pecou pecado grande, fazendo para si deuses de ouro. 32Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito. 33Então disse o Senhor a Moisés: Aquele que pecar contra mim, a este riscarei eu do meu livro. 34Vai, pois, agora, conduze este povo para onde te tenho dito; eis que o meu anjo irá adiante de ti; porém, no dia da minha visitação, visitarei neles o seu pecado. 35Assim feriu o Senhor o povo, porquanto fizeram o bezerro que Aarão tinha feito.

will be added

X\