Salmos 141

1Salmo da colecção de David. A ti clamo, SENHOR, vem depressa! Escuta a minha voz, quando te invoco. 2Seja a minha oração como incenso na tua presença e as minhas mãos erguidas, como o sacrifício da tarde. 3SENHOR, põe uma sentinela de guarda à minha boca; manda vigiar a porta dos meus lábios. 4Afasta-me do desejo de praticar o mal; que eu não seja cúmplice dos maus nem dos crimes dos malfeitores, nem participe nos seus banquetes. 5Que o justo me castigue e o bondoso me corrija, mas que o óleo mau me não perturbe a cabeça, pois isso me tornaria cúmplice dos seus males. 6Quando os seus governantes forem lançados dos despenhadeiros, as pessoas compreenderão que as minhas palavras eram verdadeiras. 7Como quando se cava e lavra a terra, uma fenda que se abre na terra, os seus ossos foram engolidos pelo sepulcro. 8Mas eu continuo a confiar em ti, ó SENHOR, meu Deus; em ti busco protecção, não me abandones. 9Protege-me das armadilhas que prepararam contra mim; livra-me das intrigas dos malfeitores. 10Que os maus caiam nas suas próprias armadilhas, e que eu siga ileso o meu caminho.

will be added

X\