Provérbios 26

1Honrarias para um insensato são tão impróprias como neve no Verão e chuva no tempo das colheitas. 2Como o pássaro e a andorinha que voam sem pousar, a maldição sem motivo não atingirá o objectivo. 3O cavalo domina-se com o chicote, o jumento, com o freio, e o insensato, com a vara. 4Não respondas ao insensato com a mesma insensatez, para não te tornares semelhante a ele. 5Responde ao insensato como merece a sua insensatez, para que ele não pense que é sensato. 6Confiar uma mensagem a um insensato é como cortar os próprios pés: só traz problemas. 7Um provérbio na boca dum insensato é tão fraco como as pernas dum coxo. 8É tão absurdo atar a pedra à funda como dar honras aos insensatos. 9Como um ramo de espinheiro na mão de um bêbedo, é o provérbio na boca do insensato. 10Quem dá emprego a um insensato ou a um desconhecido que passa põe toda a gente em perigo. 11Como o cão que volta ao seu vómito, assim o insensato repete as suas tolices. 12Há mais a esperar do insensato do que daquele que se julga muito sábio. 13O preguiçoso desculpa-se: «Anda uma fera à solta, um leão a correr pelas ruas.» 14Como a porta gira nas dobradiças, o preguiçoso volta-se na cama. 15O preguiçoso mete a mão no prato, mas nem sequer é capaz de a levar à boca. 16O preguiçoso julga-se mais sábio do que sete pessoas que sabem responder com inteligência. 17Intrometer-se em questões alheias é como agarrar pelas orelhas um cão que passa. 18Como o louco que lança brasas, flechas e objectos mortíferos, 19assim é o homem que engana o seu semelhante e depois lhe diz que foi por brincadeira. 20Sem lenha apaga-se o fogo; faltando o mexeriqueiro cessa a contenda. 21O carvão mantém as brasas, a lenha mantém o fogo; o intriguista mantém a contenda. 22As palavras do mexeriqueiro são como guloseimas, que todos gostam de engolir. 23As palavras calorosas com má intenção são como verniz prateado encobrindo louça de barro. 24O homem que odeia, dissimula quando fala, mas no seu íntimo esconde planos malévolos. 25Quando fala com amabilidade, não te fies nele, porque a sua mente está cheia de coisas abomináveis. 26Embora ele procure esconder o seu ódio com embustes, toda a gente acabará por descobrir a sua maldade. 27O que abre uma cova para armadilha nela cairá; o que faz rolar penedos fica esmagado debaixo deles. 28O mentiroso odeia aqueles a quem engana; o que usa de lisonja empurra para a ruína.

will be added

X\