Provérbios 25

1Estes são também provérbios de Salomão, copiados pelos homens ao serviço de Ezequias, rei de Judá: 2A grandeza de Deus está em agir em segredo; a grandeza dos reis está em descobrir o segredo. 3Na altura dos céus, na profundidade da terra e nos pensamentos dos reis é impossível penetrar. 4Tira as impurezas à prata e o fundidor produzirá obras de arte; 5retira o perverso do serviço do rei e este firmará o seu trono sobre a justiça. 6Não te gabes na presença do rei, nem tomes o lugar de pessoas importantes, 7porque mais vale que te digam: «Sobe para aqui!», do que seres humilhado diante de alguém mais importante. 8Mesmo sobre aquilo que viste, não te apresses a entrar em litígios. Se a pessoa em causa provar que fizeste mal, que poderás fazer tu depois? 9Defende a tua demanda com o teu adversário, mas não reveles o segredo alheio, 10para que te não envergonhe quem o ouvir e a tua honra seja irremediavelmente desacreditada. 11Uma palavra dita a tempo é tão preciosa como maçãs de ouro esculpidas em prata. 12Uma repreensão dada por um sábio tem tanto valor para o ouvinte atento como um anel, ou como um colar de ouro puro. 13Como água fresca no tempo quente da colheita, assim é o mensageiro fiel para os que o enviam, porque reconforta o ânimo dos seus senhores. 14O que se gaba de presentes que não deu é semelhante às nuvens e ao vento que não trazem chuva. 15Com paciência pode-se convencer um chefe; as palavras suaves quebram a resistência. 16Se encontraste mel, come o suficiente; não comas demasiado, que terias de o vomitar. 17Não exageres as visitas ao teu amigo, para que não se canse de ti e te comece a detestar. 18Quem levanta falso testemunho contra alguém, faz tanto mal como um pau, uma espada ou uma flecha aguçada. 19Confiar num traidor em dia de desgraça é mastigar com um dente estragado ou andar com um pé torcido. 20Cantar canções a um homem atribulado é como tirar-lhe o casaco num dia frio ou deitar-lhe vinagre sobre uma ferida. 21Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer, se tiver sede, dá-lhe de beber; 22procedendo assim fazes-lhe arder a cara de vergonha; o SENHOR te recompensará. 23O vento norte traz a chuva; a má língua provoca a cólera dos outros. 24Mais vale morar num canto do terraço do que viver com uma mulher quezilenta em casa ampla. 25Uma boa notícia que vem dum país distante é como água fresca para uma boca sedenta. 26Como uma nascente ou uma fonte com a água suja, assim é o inocente que tem medo diante do culpado. 27Não faz bem comer muito mel, nem procurar muitas honrarias. 28Como uma cidade sem defesa nem muralhas é o homem que não domina os seus impulsos.

will be added

X\