Provérbios 1

1Provérbios de Salomão, filho de David, rei de Israel, 2para conhecer a sabedoria e a educação, para compreender as sentenças mais profundas, 3para adquirir educação prudente, justiça, rectidão e equilíbrio; 4para dar aos simples discernimento e aos jovens experiência e reflexão. 5O sábio escuta-os e aumenta o seu saber e os inteligentes alcançam maior profundidade, 6compreendendo os provérbios e as alegorias, as palavras dos sábios e os seus enigmas. 7Respeitar o SENHOR é o princípio do conhecimento; os insensatos desprezam sabedoria e educação. 8Meu filho, ouve as advertências de teu pai, não desprezes os ensinamentos de tua mãe, 9pois são como um diadema na tua cabeça e um colar para o teu pescoço. 10Se as más companhias te quiserem seduzir, não lhes dês ouvidos, meu filho. 11Eles vão dizer-te: «Vem connosco! Vamos preparar uma emboscada e divertir-nos a armar ciladas aos inocentes. 12Vamos engoli-los vivos como o abismo, como os mortos que baixam à sepultura. 13Arranjaremos toda a espécie de riquezas e encheremos as nossas casas com os despojos! 14A tua parte será igual à nossa, pois o que conseguirmos arranjar será de todos.» 15Meu filho, não vás com gente dessa, afasta-te dos seus maus caminhos, 16porque eles têm pressa de fazer mal, sempre prontos para matar alguém. 17Não vale a pena estender uma rede, se os pássaros estão a ver o caçador. 18Porém as suas armadilhas são contra si próprios e põem a sua vida em perigo. 19Esse é o fim dos gananciosos: é a própria ganância que os mata. 20A sabedoria faz ouvir a sua voz, proclamando pelas ruas e praças; 21sobre os muros eleva a sua voz, à entrada da cidade, repetindo: 22«Ó gente ingénua, até quando continuarão ingénuos? Ó arrogantes, até quando se vão rir de mim? Ó loucos, até quando recusarão o conhecimento? 23Prestem atenção às minhas repreensões e eu vos encherei de sabedoria e vos darei a conhecer os meus pensamentos. 24Tenho-vos chamado e convidado a vir, mas não prestaram atenção nem me escutaram. 25Desprezaram os meus conselhos e não fizeram caso das minhas repreensões. 26Também eu me vou rir, na vossa desgraça, e zombarei, quando estiverem cheios de medo, 27quando vos sobrevierem desastres terríveis em furacão, quando vos surpreender a desgraça como um temporal, quando sentirem o desespero e a angústia. 28Nessa altura, chamar-me-ão, mas não responderei, procurar-me-ão, mas não me vão encontrar, 29pois desprezaram a sabedoria e não quiseram respeitar o SENHOR; 30repeliram os meus conselhos e desprezaram as minhas repreensões. 31Pois sofrerão as consequências dessa conduta e ficarão fartos das más intenções. 32A imprudência dos ingénuos dá cabo deles; a despreocupação dos insensatos os perderá. 33Mas aquele que me ouvir viverá tranquilo, seguro e sem receio de mal algum.»

will be added

X\