Miquéas 7

1Ai de mim! Sou como quem rebusca frutos, depois da colheita, como o que busca uvas, depois da vindima, e não encontra nada para comer: nem uvas nem figos tenros, de que tanto gosto. 2Desapareceram da terra os homens fiéis a Deus; já não há gente honesta. Todos espreitam o momento para fazer mal aos outros, armando ciladas para os matarem. 3São mestres na arte de fazer mal. Os chefes exigem recompensa, os juízes deixam-se subornar, os homens influentes manifestam abertamente a sua cobiça; todos eles corrompem a cidade. 4O melhor dentre eles é como um tojo, o mais justo, como uma sebe de espinheiro. Mas chegou o dia do teu castigo, anunciado pelas tuas sentinelas, os profetas. Já reina a confusão entre o teu povo. 5Não acredites nas palavras do teu próximo, nem confies em nenhum amigo. Cuidado com o que falas com a tua mulher. 6Porque o filho trata o pai com desprezo, a filha revolta-se contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos são os da própria família. 7Eu, porém, tenho esperança no SENHOR, ponho a minha confiança em Deus, que me salva; e o meu Deus ouvirá o meu apelo. 8Nação, minha inimiga, não te rias da minha desgraça. Ainda que tenha caído, levantar-me-ei de novo; ainda que esteja prostrado na escuridão, o SENHOR será a minha luz. 9Suportarei a ira do SENHOR, porque pequei contra ele; entretanto ele defenderá a minha causa e me fará justiça. Ele me conduzirá para a luz e me fará ver a sua generosidade. 10Também os meus inimigos o verão, e isso há-de cobri-los de vergonha. Eles perguntavam: «Onde está o SENHOR, teu Deus?» Mas hei-de vê-los, quando forem pisados como a lama das ruas. 11Jerusalém, virá o dia em que os teus muros serão reconstruídos; nesse dia, as tuas fronteiras serão alargadas. 12Nesse dia, o teu povo virá de toda a parte: da Assíria ao Egipto, do Nilo ao Eufrates; dum mar ao outro e duma montanha à outra. 13O resto do mundo será convertido em deserto, por culpa dos seus habitantes, como resultado da sua maldade. 14Guarda, SENHOR, o teu povo, como ovelhas do rebanho, que te pertence; elas andam abandonadas no bosque ainda que rodeadas de terra fértil. Leva-as, como outrora aconteceu, para as pastagens de Basã e de Guilead. 15Mostra-nos as tuas maravilhas, como no tempo em que nos tiraste do Egipto. 16Que as outras nações vejam isso, e se cubram de vergonha, apesar de todo o seu poder. Que fiquem mudas e surdas de espanto. 17Que mordam o pó como serpentes e como os outros répteis. Que saiam das suas cidadelas, tremendo, cheias de medo, e recorrendo a ti, SENHOR, nosso Deus! 18Ó Deus, não há outro deus como tu, que esqueces e perdoas a rebeldia e os pecados do que ainda resta do teu povo! Tu não manténs a tua ira para sempre e nos mostras com agrado o teu amor. 19Mais uma vez, tem compaixão de nós; esquece os nossos crimes e lança os nossos pecados no fundo do mar! 20Manifesta o teu amor e fidelidade para com os descendentes de Abraão e de Jacob, como prometeste aos nossos antepassados, desde os tempos mais antigos.

will be added

X\