Jeremias 7

1Jeremias recebeu do SENHOR uma ordem, 2para ir à porta do templo e lá proclamar a seguinte mensagem: «Ouçam a palavra do SENHOR, ó gente de Judá, que aqui me vem adorar. 3Ouçam o que diz o SENHOR, todo-poderoso, Deus de Israel! Mudem a vossa maneira de viver e de agir, e hei-de deixar-vos viver aqui. 4Não acreditem quando vos disserem: “É o templo do SENHOR! É o templo do SENHOR! É o templo do SENHOR! Estamos em segurança!” Pois isso é uma ilusão! 5Se na verdade mudarem a vossa maneira de viver e de agir e forem justos uns para com os outros; 6se não oprimirem os estrangeiros, os órfãos e as viúvas, e não matarem ninguém inocente nesta minha terra; se deixarem de prestar culto a outros deuses, para vossa desgraça; 7se de facto mudarem, hei-de deixar-vos viver neste lugar, na terra que, de há muito, dei aos vossos antepassados, para sempre. 8Porém confiam em palavras mentirosas, que não valem nada; 9roubam, matam, cometem adultério, fazem falsos juramentos, oferecem incenso ao deus Baal, e adoram a deuses, que antes não conheciam. 10Vêm à minha presença, ao meu templo, e dizem: “Estamos em segurança!” e depois vão continuar a praticar essas coisas abomináveis! 11Pensam que o meu templo é um covil de ladrões e que eu não vejo o que vocês fazem? 12Vão ver o meu santuário de Silo que foi o primeiro lugar que escolhi para nele habitar. Vejam o que lhe fiz, por causa da maldade do meu povo, Israel. 13Tudo isso fizeram, apesar de vos ter admoestado vezes sem conta. Mas não quiseram saber. Chamei-vos à razão, mas não me deram ouvidos! Palavra do SENHOR! 14Por isso, tal como fiz com Silo, assim farei com este templo, que é meu santuário e no qual se sentem em segurança. O que aconteceu a Silo, acontecerá a este lugar, que outrora dei a vossos antepassados. 15Hei-de afastar-vos da minha presença, tal como fiz com os descendentes de Efraim, vossos irmãos.» 16«E tu, Jeremias, não intercedas por este povo. Não venhas suplicar nem pedir por ele. Não insistas comigo, porque não te escutarei. 17Não vês o que eles estão a fazer nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém? 18As crianças apanham lenha, os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha para fazerem bolos, destinados à deusa que chamam Rainha dos Céus. Fazem ofertas de vinho a deuses falsos e provocam-me com tudo isso. 19Mas será a mim que eles provocam, ou a eles próprios, cobrindo-se de vergonha? Palavra do SENHOR! 20Por isso, farei recair a minha indignação sobre este templo, sobre os habitantes, os animais e as plantas, bem como sobre a produção agrícola — diz o SENHOR Deus; a minha ira será como fogo, que ninguém pode extinguir.» 21Assim diz o SENHOR do Universo, o Deus de Israel: «Juntam a carne dos holocaustos à de outros sacrifícios, para terem mais carne para comer? 22Quando tirei do Egipto os vossos antepassados, não lhes mandei oferecer esses holocaustos e sacrifícios. 23Apenas lhes ordenei que me obedecessem, para que eu fosse o seu Deus e eles fossem o meu povo. Ordenei-lhes que vivessem segundo os meus mandamentos, para serem felizes. 24Mas eles não me obedeceram nem me deram ouvidos. Antes agiram segundo a teimosia e a maldade dos seus corações, e ficaram para trás em vez de andarem para a frente. 25Desde o dia em que os vossos antepassados saíram do Egipto até hoje, tenho-vos enviado constantemente os meus servos, os profetas, dia após dia. 26Mas não me deram ouvidos, nem fizeram caso de mim. Pelo contrário, tornaram-se mais teimosos e rebeldes do que os seus antepassados. 27Por isso, tu, Jeremias, deves apresentar ao meu povo, tudo o que eu te disse, embora não te dêem ouvidos; deves comunicar-lhes o meu apelo, mas não te darão resposta. 28Diz-lhes que este povo não obedeceu à voz do SENHOR, seu Deus, nem o castigo lhes serviu de emenda. A fé desapareceu; já nem falam dela.» 29«Cortem o vosso cabelo consagrado e deitem-no fora, lamentem-se no cimo dos montes; porque eu, o SENHOR, estou irado, e rejeito esta geração que me provoca. 30Os filhos de Judá comportaram-se mal para comigo! Palavra do SENHOR! Puseram os seus ídolos abomináveis no meu templo e profanaram-no. 31Edificaram altares pagãos, que chamaram Tofet, no vale do filho de Hinom. Ali queimaram os filhos e filhas em sacrifícios. E eu nunca lhes ordenei tal coisa; tal procedimento não vem do meu coração. 32Por isso, tempo virá em que não se chamará mais Tofet, ou vale de Hinom, mas vale da Matança. Ali sepultarão os mortos, porque não haverá mais nenhum lugar para os sepultar. 33Os cadáveres deste povo serão pasto das aves e dos animais selvagens e ninguém os espantará. 34Farei cessar, nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, o som de festa e alegria, as vozes do noivo e da noiva; porque a terra ficará deserta.»

will be added

X\