Isaías 26

1Naquele dia, cantar-se-á este cântico no país de Judá: «Temos uma cidade forte; para a proteger, o SENHOR fez-lhe muralhas e baluartes. 2Abram as portas para que entre o povo fiel, que cumpre os seus compromissos. 3As suas disposições são firmes. Tu, SENHOR, o guardas em paz, porque confia em ti. 4Tenham sempre confiança no SENHOR, porque o SENHOR é a rocha eterna. 5Ele humilhou os que habitavam nas alturas, precipitou por terra a cidade inacessível e arrojou-a para o pó. 6Ela será calcada aos pés pelo povo pobre e fraco.» 7O caminho do justo é a rectidão. É o SENHOR que lhe prepara caminhos rectos. 8É seguindo os caminhos dos teus desejos que nós esperamos em ti, SENHOR. O nosso desejo é pronunciar o teu nome e lembrar-nos de ti. 9Anseio por ti, durante a noite, do fundo do coração, eu te procuro. Quando as tuas intervenções se realizam na terra, os povos do mundo reconhecem a justiça. 10Mas se o mau é tratado com clemência, não aprende o que é justo; no país da sensatez continua como ignorante; nem vê a tua grandeza, ó SENHOR. 11SENHOR, a tua mão é ameaçadora, mas eles não se apercebem. Que eles vejam, envergonhados como defendes o teu povo! Que sejam devorados pelo fogo preparado para os teus inimigos! 12SENHOR, és tu que nos dás a paz, pois tudo quanto fazemos és tu que o levas a bom termo. 13Ó SENHOR, nosso Deus, outros senhores, que não tu, nos dominaram. Mas tu és o único a quem queremos recorrer. 14Os outros são mortos que não tornam a viver, sombras que não voltam a levantar-se. Foste tu que intervieste para os aniquilar e apagar completamente a sua lembrança. 15SENHOR, tu multiplicaste o nosso povo, e assim manifestaste a tua glória; alargaste todas as fronteiras do país. 16SENHOR, na tristeza nós te procurámos, e clamámos por ti, no aperto do teu castigo. 17Diante de ti, SENHOR, nós éramos como a mulher grávida que vai dar à luz: torce-se e grita com as dores. 18Demos à luz, cheios de dores, mas apenas nos nasceu vento. Não trouxemos a salvação ao país, nem novos habitantes ao mundo. 19Os teus mortos reviverão, os seus cadáveres ressuscitarão. Despertai e gritai de júbilo vós, os que jazeis no pó da terra! Na verdade, o teu orvalho é orvalho de luz, a terra fará renascer os que não passavam de sombras. 20Vamos, meu povo, entra nos teus aposentos e fecha a porta por dentro. Esconde-te por um momento, até que passe o castigo do SENHOR. 21Realmente ele vai sair da sua morada, para castigar os crimes dos habitantes da terra. A terra deixará aparecer o sangue que escondia e não ocultará mais as vítimas que acolheu.

will be added

X\