Gálatas 3

1Ó gálatas sem juízo! Quem foi que vos fascinou? Eu tinha-vos feito ver Jesus Cristo crucificado. 2Só quero que me digam isto: será que receberam o Espírito de Deus por terem cumprido a lei ou por terem respondido à boa nova com fé? 3Como podem ser tão faltos de juízo? Começaram pelo Espírito de Deus e querem agora terminar pelas vossas próprias forças? 4Não vos serviu de nada a experiência que tiveram? Talvez tenha valido alguma coisa. 5Será então que Deus vos concede o seu Espírito e realiza prodígios no meio de vós porque cumprem o que manda a lei ou porque aceitam a fé? 6É como aconteceu com Abraão que acreditou em Deus e por isso Deus o considerou justo 7Pela mesma razão devem compreender que os que têm fé é que são os verdadeiros descendentes de Abraão. 8A Escritura tinha previsto que Deus havia de justificar os não-judeus por meio da fé. Foi assim que prometeu a Abraão: Por meio de ti todos os povos serão abençoados. 9Abraão acreditou e foi abençoado; e assim todos aqueles que crêem são abençoados com ele. 10Os que estão sujeitos à Lei de Moisés estão sujeitos à maldição, pois está escrito: Maldito aquele que não cumpre tudo o que está escrito no livro da lei! 11É evidente que, pela lei, ninguém será justificado perante Deus, pois a Escritura afirma: O justo viverá pela fé. 12Ora a lei não tem que ver com a fé, pois diz: Quem cumpre estas coisas viverá por elas. 13Cristo libertou-nos da maldição da lei, tornando-se ele maldito por nossa causa. Com efeito, a Escritura diz: Maldito todo aquele que é pendurado num madeiro. 14Aconteceu assim para que a bênção prometida por Deus a Abraão chegasse aos não-judeus por meio de Jesus Cristo, e para que recebêssemos pela fé o Espírito prometido por Deus. 15Meus irmãos, apresento-vos um exemplo da vida corrente: quando alguém faz um testamento em forma legal, ninguém o pode anular nem acrescentar nada. 16Ora bem, Deus fez as suas promessas a Abraão e à sua descendência. A Escritura não diz “aos seus descendentes”, como se se tratasse de muitas pessoas, mas à tua descendência, indicando assim uma só pessoa, que é Cristo. 17O que eu quero dizer é isto: Deus fez um pacto que é válido. A lei, que veio quatrocentos e trinta anos mais tarde, não podia anular aquele pacto e deixar sem valor a promessa de Deus. 18Ora, se aquilo que Deus dá como herança dependesse da lei, não seria através da promessa. Mas foi pela promessa que Deus o concedeu a Abraão. 19Para que serve então a lei? A lei veio depois para mostrar aquilo que é contra a vontade de Deus. E só devia durar até que viesse aquela descendência, a quem a promessa se destinava. Essa lei foi dada pelos anjos e houve um homem que serviu de mediador. 20Mas não é preciso mediador, quando se trata de uma só pessoa; e Deus é um só. 21Quer isto dizer que a lei estará contra as promessas de Deus? De modo nenhum. Se tivesse sido dada uma lei capaz de comunicar a vida, então o homem seria justificado por meio dessa lei. 22Mas a Escritura declarou que todas as coisas estão sujeitas ao pecado, para que a promessa de Deus fosse dada aos crentes, pela fé em Jesus Cristo. 23Antes de chegar a fé, a lei mantinha-nos prisioneiros, à espera que a fé fosse dada a conhecer. 24Dessa maneira, a lei foi a nossa educadora, até que viesse Cristo, a fim de sermos justificados por meio da fé. 25Agora que veio o tempo da fé, já não estamos sujeitos à lei como nossa educadora. 26Pois pela fé que vos une a Jesus Cristo são todos filhos de Deus. 27Com efeito, todos os que foram baptizados em Cristo revestiram-se das qualidades de Cristo. 28Não há diferença entre judeus e não-judeus, entre escravos e pessoas livres, entre homem e mulher. Agora constituem um todo em união com Cristo Jesus. 29E se são de Cristo, então são descendência de Abraão e herdeiros de acordo com a promessa.

will be added

X\