Ezequiel 21

1O SENHOR dirigiu-me ainda a palavra e disse-me: 2«Homem, olha em direcção ao sul. Dirige em meu nome uma mensagem contra o bosque do sul. 3Diz a esse bosque que fica ao sul, que eu, o SENHOR, lhe comunico o seguinte: “Ouve, ó bosque do sul! Vou deitar-te o fogo, que consumirá todas as tuas árvores, tanto as verdes como as secas. Nada o poderá apagar. Toda a gente, do sul ao norte, há-de sofrer o calor das labaredas. 4Assim verão que eu, o SENHOR, lhes pus fogo e que ninguém o pode apagar.”» 5Porém eu protestei e disse: «Ó SENHOR Deus, não me mandes fazer tal coisa! Toda a gente diz já que só falo por parábolas!» 6Então o SENHOR dirigiu-me a palavra e disse-me: 7«Homem, denuncia a Jerusalém, denuncia os lugares onde o povo presta culto. Previne a terra de Israel 8que eu, o SENHOR, lhes declaro o seguinte: “Sou vosso inimigo. Puxarei da minha espada e vou matar-vos a todos, justos e maus. 9Farei uso da minha espada contra todos, desde o sul até ao norte.” 10Então toda a gente saberá que, se eu, o SENHOR, puxei da minha espada não é para a pôr outra vez na bainha. 11E tu, homem, geme como se o teu coração estivesse despedaçado pelo desespero. Chora de tristeza num lugar onde todos te vejam. 12Quando te perguntarem por que choras, diz que é por causa das notícias sobre o futuro. Então os seus corações se encherão de temor, as suas mãos ficarão sem força, o seu ânimo vacilará e os seus joelhos tremerão. O que está para vir já está a chegar. Palavra do SENHOR!» 13O SENHOR dirigiu-me ainda esta mensagem: 14«Homem, fala ao povo em meu nome; anuncia que eu, o Senhor, tenho para lhe dizer o seguinte: “Existe uma espada, uma espada afiada e polida. 15Está afiada para matar, e polida a brilhar como um relâmpago. Haverá motivo para alegria? É que o meu povo desprezou o pau que o castigava! 16A espada está a ser polida pronta para ser usada. Está afiada e polida, para ser entregue nas mãos de quem vai matar. 17Chora e lamenta-te, homem, que esta espada é para ferir o meu povo e todos os chefes de Israel. Vão ser todos mortos com o resto do meu povo. Batam com as mãos no peito, em desespero! 18Eu estou a pôr à prova o meu povo e se recusarem arrepender-se, todas estas coisas cairão sobre eles. Palavra do SENHOR!”» 19«Anuncia agora, Homem. Bate palmas e a espada ferirá à direita e à esquerda por três vezes. É uma espada que mata, que semeia o terror e não deixa ninguém escapar. 20Eis que ela ferirá em todas as casas do meu povo. Fará com que ele perca o ânimo e tropece. É uma espada que brilha como o relâmpago, pronta para matar. 21Fere à direita e à esquerda, ó espada bem afiada! Fere para onde te voltares! 22Também eu baterei as palmas, e a minha indignação ficará satisfeita. Palavra do SENHOR!» 23O SENHOR dirigiu-me a palavra e disse-me: 24«Ezequiel, traça duas estradas por onde o rei da Babilónia há-de passar com a sua espada. Ambas devem partir do mesmo país. Coloca sinais com a direcção de cada uma delas; 25uma deve levar o rei à cidade amonita de Rabá; a outra levá-lo-á até Judá, à cidade fortificada de Jerusalém. 26O rei de Babilónia encontra-se diante dos sinais, no lugar onde as estradas se separam. Para se decidir sobre qual estrada deve tomar, ele agita as flechas, consulta os seus ídolos familiares e examina o fígado dum animal. 27A sua mão direita segura a flecha que diz “Jerusalém”. Isso mostra que deve seguir nessa direcção e deve montar aríetes, soltar o grito de guerra, colocar os aríetes contra as portas e fazer rampas e baluartes. 28O povo de Israel não acreditará no que os seus olhos virem, porque se sentem protegidos por um acordo. Mas o rei lembra-lhes as suas más acções e avisa-os de que vão ser feitos prisioneiros. 29Pois eu, o SENHOR Deus, vos declaro que as vossas más acções estão descobertas. Toda a gente sabe quão culpados sois. As vossas más acções são evidentes e o pecado está em cada procedimento vosso. Já que se fazem assim tanto notar, sereis feitos prisioneiros pelos vossos inimigos. 30E quanto a ti, infame e criminoso chefe de Israel, chegou o dia do teu castigo. 31É o SENHOR Deus quem o declara! Tira a tua coroa e o teu turbante. Nada voltará a ser como antes. O que era humilde fica engrandecido e o que era grande fica humilhado. 32Ruína, ruína! Sim, eis que faço a cidade em ruínas. Mas tal não acontecerá até que chegue aquele a quem eu concedi o poder de castigar a cidade. Então entregar-lha-ei.» 33«Homem, anuncia o que eu, o SENHOR Deus, tenho para declarar aos amonitas, que insultam a Israel. Diz-lhes: “Existe uma espada, pronta para destruir; está afiada para matar, e polida como um relâmpago a brilhar! 34As visões que tu tens são falsas e as adivinhações que fazes são mentiras. Tu és má e iníqua e o teu dia está a chegar, o dia do teu castigo final. A espada vai cair sobre o teu pescoço. 35Mete a espada na bainha! Vou castigar-te no lugar onde foste criada, na terra onde nasceste. 36Sentirás a minha indignação, quando fizer cair sobre ti o fogo da minha ira: entregar-te-ei nas mãos de homens violentos, peritos na destruição. 37Serás consumida pelo fogo; o teu sangue será derramado no teu país e nunca mais ninguém se lembrará de ti. Palavra do SENHOR!”»

will be added

X\