Daniel 4

1«Eu vivia tranquilo no conforto e sumptuosidade do meu palácio. 2E, uma noite, enquanto dormia, tive um sonho e pesadelos que me perturbaram; neles vi coisas terríveis. 3Quando acordei, mandei vir à minha presença os sábios da Babilónia, para que me revelassem o significado daquilo que eu sonhara. 4Os magos, adivinhos, astrólogos e feiticeiros compareceram diante de mim. Contei-lhes o sonho, mas não foram capazes de me explicar o seu sentido. 5Por fim, veio à minha presença Daniel, que também se chama Beltechaçar, segundo o nome do meu deus. O espírito dos deuses santos está com ele. Contei-lhe também o que sonhara e disse-lhe: 6“Eu sei que o espírito dos deuses santos está contigo, ó Beltechaçar, chefe dos magos; sei que podes entender todos os mistérios. Vou dizer-te o que sonhei, para que me digas o que significa. 7Enquanto dormia na minha cama, tive esta visão: Vi uma árvore gigantesca, plantada no meio da terra. 8Ela não parou de crescer até que chegou ao céu e podia ser vista do mundo inteiro. 9As suas folhas eram belas, e estava carregada de fruto suficiente para alimentar toda a terra. Animais selvagens descansavam à sua sombra; as aves faziam ninho nos seus ramos e todos os seres criados comiam do seu fruto. 10Enquanto eu, deitado, meditava na visão, vi que um anjo descia do céu, alerta e vigilante, 11que proclamava com voz forte: Deitem a árvore abaixo e cortem os seus ramos; tirem-lhe as folhas e espalhem os frutos. Afastem os animais que estão debaixo dela, e enxotem as aves dos seus ramos! 12Mas deixem no chão o cepo com as raízes, com um anel de ferro e bronze à sua volta. Deixem-no ali no campo, juntamente com a erva. Será molhado pelo orvalho do céu e comerá erva como os animais. 13Perderá o entendimento de homem ficando só como um animal. E que fique assim durante sete anos. 14Esta é a decisão dos anjos vigilantes, a ordem transmitida pelos santos. Todo o povo saiba que o Altíssimo tem poder sobre os reinos humanos, e que os pode entregar a quem quiser, até mesmo ao mais insignificante dos homens.”» 15«Este é o sonho que eu, Nabucodonosor, tive. Diz-me agora, Beltechaçar! Qual é o seu sentido, pois nenhum dos sábios do meu reino pôde explicá-lo, mas tu podes, porque o espírito dos deuses santos está contigo.» 16Então Daniel, também chamado Beltechaçar, ficou tão alarmado que mal podia falar. O rei disse-lhe: «Beltechaçar, não te deixes alarmar pelo sonho e pelo seu significado.» Beltechaçar respondeu: «Quem dera que o sonho e o seu significado se referissem aos vossos inimigos e não a vós, mas refere-se a Vossa Majestade! 17A árvore que viu era tão alta que chegava ao céu e podia ser vista do mundo inteiro. 18As suas folhas eram belas e o seu fruto, suficiente para alimentar toda a população da terra. Os animais selvagens repousavam à sua sombra e as aves faziam ninho nos seus ramos. 19Majestade, vós sois a grande árvore, alta e forte. Vossa Majestade cresceu tanto que chega ao céu e o seu poder chega até aos confins da terra. 20Enquanto Vossa Majestade estava a sonhar, um anjo desceu do céu e ordenou: “Que a árvore seja cortada e destruída, mas que o cepo fique intacto. Ligue-se o tronco com um anel de ferro e de bronze e seja deixado junto à erva do campo. Que o orvalho caia sobre esse homem e viva como os animais, durante sete anos.” 21É este o significado do sonho e o que o Altíssimo predisse que vai acontecer a Vossa Majestade. 22Vai ser afastado do convívio da sociedade humana e habitará com os animais selvagens. Durante sete anos, comerá erva como os bois, dormirá ao relento e será molhado pelo orvalho. Depois disto, Vossa Majestade tem que admitir, finalmente, que o Altíssimo domina sobre todos os reinos e os entrega a quem bem lhe parece. 23Os anjos deram ordens para que o cepo fosse poupado com as raízes. Isso significa que Vossa Majestade será rei novamente, quando reconhecer que Deus é soberano sobre toda a terra. 24Por isso, ó rei, siga o meu conselho. Renuncie aos seus pecados, pratique a justiça e tenha compaixão dos pobres. Só então poderá viver tranquilo.» 25E tudo isto aconteceu ao rei Nabucodonosor. 26Doze meses mais tarde, enquanto passeava pelos jardins do seu palácio, na Babilónia, 27dizia com admiração: «Olhem para esta cidade da Babilónia, como é grandiosa! Construí-a para que fosse a minha capital, para demonstrar o meu poder e domínio, a minha glória e majestade.» 28Ainda o rei não tinha acabado de falar, ouviu-se uma voz do céu: «Rei Nabucodonosor, escuta o que te vou dizer: o teu poder real vai-te ser retirado. 29Vais ser afastado do convívio da sociedade humana; terás que viver como os animais selvagens e comer erva como os bois, durante sete anos. Então reconhecerás que o Deus altíssimo domina sobre todos os reinos e os entrega a quem bem lhe parece.» 30E logo esta sentença se cumpriu. Nabucodonosor foi afastado da sociedade e passou a comer erva como se fosse um boi. O orvalho caía sobre o seu corpo e cresceu-lhe pêlo tão comprido como penas de águia; as suas unhas eram como garras das aves. 31«Cumprido aquele tempo, eu, Nabucodonosor, olhei para o céu e recuperei o meu juízo. Louvei o Altíssimo e dei honra e glória àquele que vive para sempre. A sua soberania é eterna e o seu reino durará por séculos sem fim. 32Os habitantes da terra não são nada aos seus olhos; os anjos e os homens estão debaixo do seu domínio. Ninguém se pode opor à sua vontade nem pedir-lhe contas do que faz. 33Quando recuperei o juízo, recebi novamente a honra, a majestade e a glória que me são devidas. Os meus oficiais e nobres acolheram-me com alegria e foi-me restituído o poder real, mais ainda do que tinha antes. 34Por isso, eu, Nabucodonosor, louvo, honro e dou glória ao Rei do Céu. Tudo o que ele faz está certo e são justos os seus caminhos. Sim, ele tem poder para humilhar os orgulhosos!»

will be added

X\