2 Crónicas 26

1Todo o povo de Judá proclamou então Uzias, que tinha dezasseis anos, como rei, para suceder a Amazias, seu pai. 2Foi ele que, depois da morte do pai, recuperou para o reino de Judá, a cidade de Elat e a reconstruiu. 3Uzias, que tinha dezasseis anos quando subiu ao trono, reinou em Jerusalém cinquenta e dois anos. A sua mãe era Jecolias, natural de Jerusalém. 4Uzias procedeu com rectidão diante do SENHOR, tal como acontecera com o seu pai, Amazias. 5Enquanto viveu Zacarias, homem entendido nas coisas de Deus, Uzias procurou seguir a vontade do SENHOR e, durante esse tempo, Deus concedeu-lhe prosperidade. 6A certa altura, Uzias partiu para a guerra contra os filisteus. Destruiu a muralha de Gat, de Jabne e de Asdod e construiu cidades no território de Asdod e noutros lugares do território dos filisteus. 7Deus ajudou-o contra os filisteus, contra os árabes, que habitavam em Gur-Baal e contra os meunitas. 8Os amonitas pagaram-lhe tributo de guerra e chegou a ser tão poderoso que a sua fama se estendeu até às fronteiras do Egipto. 9Construiu torres fortificadas nas muralhas de Jerusalém, junto da porta da Esquina, junto da Porta do Vale e junto do ângulo da muralha. 10Também construiu torres de guarda nas regiões do deserto, onde abriu muitos poços, pois possuía grandes rebanhos, tanto na região da Chefela como na planície. Tinha muitos homens a trabalhar nos campos e nas vinhas, pois gostava do trabalho da terra. 11Tinha um exército preparado para a guerra, que estava organizado em diversas unidades, segundo o recenseamento feito pelo secretário Jeiel e pelo administrador Masseias, sob a direcção de Hananias, um dos oficiais do rei. 12O total dos chefes de clã, todos valentes guerreiros, era de dois mil e seiscentos. 13Comandavam um exército de trezentos e sete mil e quinhentos homens, corajosos e prontos para combaterem contra os inimigos do rei. 14Uzias fornecia-lhes escudos, lanças, capacetes, couraças, arcos e pedras para fundas. 15Em Jerusalém, mandou fazer máquinas, inventadas por engenheiros para arremessarem flechas e grandes pedras, das torres e dos ângulos das muralhas. Deus ajudou-o de forma extraordinária. Por isso, ele foi muito poderoso e a sua fama estendeu-se por muito longe. 16Mas quando se viu cheio de poder, tornou-se orgulhoso e isso levou-o à ruína. Cometeu uma falta para com o SENHOR, seu Deus, ao entrar no templo para queimar incenso no altar do incenso. 17Mas atrás dele entrou o sacerdote Azarias, acompanhado de oitenta sacerdotes do SENHOR, todos bastante fortes 18que se foram colocar em frente dele e lhe disseram: «Não é ao rei que compete queimar incenso ao SENHOR, mas apenas aos sacerdotes descendentes de Aarão, que foram consagrados para esse fim. Sai do santuário, porque estás a transgredir a lei. Isto não será uma acção que te honre diante do SENHOR.» 19Uzias, que tinha na mão o turíbulo para oferecer o incenso enfureceu-se com os sacerdotes e imediatamente lhe apareceu lepra na face, ali mesmo, dentro do templo do SENHOR, diante do altar do incenso e na presença dos próprios sacerdotes. 20Quando o sumo sacerdote e todos os outros sacerdotes olharam para ele, viram que tinha lepra na face e apressaram-se a retirá-lo dali. Aliás ele próprio se apressou a sair do santuário, ao dar conta de que tinha sido castigado pelo SENHOR. 21O rei Uzias ficou leproso até à sua morte e, por causa da doença, viveu isolado numa casa, sem ter direito a entrar no templo do SENHOR. Era o filho Jotam o encarregado de administrar o palácio real e de governar o país. 22O resto da história de Uzias, desde o princípio ao fim, foi escrito pelo profeta Isaías, filho de Amós. 23Quando Uzias morreu, sepultaram-no no cemitério real, mas não no túmulo da família real porque era leproso. Quem lhe sucedeu foi o seu filho Jotam.

will be added

X\